Cambio en la dinámica interna y desplazamiento hacia el centro: un estudio de caso sobre el Partido de los Trabajadores en Porto Alegre

Barra lateral del artículo

Contenido principal del artículo

MARCOS TODT
  • Biografía

    Doutorando e Mestre em Ciências Sociais

    Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), Brasil, Escola de Humanidades

    Membro do Centro Brasileiro de Pesquisas em Democracia (CBPD/PUCRS)

RAFAEL MACHADO MADEIRA
  • Biografía

    Doutor em Ciência Política

    Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), Brasil

    Escola de Humanidades Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais

    Membro do Centro Brasileiro de Pesquisas em Democracia (CBPD/PUC-RS)

     

Resumen

El presente trabajo parte de la hipótesis de que los cambios en la vida interna del Partido de los Trabajadores (PT), que causaron una reducción significativa en los espacios de debate y militancia política, están relacionados con el movimiento del partido hacia el centro en el espectro político brasileño. Para evaluar esta hipótesis, hemos construido tres perfiles de afiliados: Militantes, Afiliados con Praxis y Afiliados Puros; se sistematizaron previamente los posicionamientos considerados de izquierda en el debate del partido. Luego, se aplicaron 109 cuestionarios y se llevaron a cabo 21 entrevistas semiestructuradas con afiliados al PT en Porto Alegre. Se logró verificar que, de hecho, los miembros menos activos en la vida del partido también son los menos críticos de las decisiones de los líderes y tienden a identificarse menos con las posiciones de la izquierda petista.

Palabras clave:
Workers’ Party, Brazilian left-wing, ideology, democracy Partido de los Trabajadores, izquierda brasileña, ideología, democracia Partido dos Trabalhadores, esquerda brasileira, ideologia, democracia

Detalles del artículo

Referencias

Almeida, R. de. (2019). Bolsonaro presidente: conservadorismo, evangelismo e a crise brasileira. Novos Estudos CEBRAP, 38(1), 185-213. https://doi.org/10.25091/s01013300201900010010

Amaral, O. M. E. do. (2010). As transformações na organização interna do Partido dos Trabalhadores entre 1995 e 2009 (Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Brasil).

Baiocchi, G. & Checa, S. (2007). The Brazilian Workers’ Party: From Local Practices to National Power. The Journal of Labor and Society, 10(4), pp. 411-430.

Borges, A. (2015). Nacionalização partidária e estratégias eleitorais no presidencialismo de coalizão. Dados [online]. Vol. 58, n.3, pp. 651-688.

César, B. T. (2002). PT: a contemporaneidade possível – base social e projeto político (1980-1991). Porto Alegre: Editora da Universidade.

Coelho, A. (2005). Uma esquerda para o capital: crise do marxismo e mudanças nos projetos políticos dos grupos dirigentes do PT (1979-1998) (Tese de Doutorado, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil).

De Souza Santos, B. (1998). Participatory Budgeting in Porto Alegre: toward a redistributive democracy. Politics & Society, 26(4).

Dias, M. (2007). Hegemonia e polarização: a reconfiguração de forças políticas no município de Porto Alegre (1988 a 2000). Civitas – Revista de Ciências Sociais, 2(1), 157-179.

Fausto, R. (2017). Caminhos da esquerda: elementos para uma reconstrução. São Paulo: Companhia das Letras.

Fernandes, F. (2006). PT: os dilemas da organização. Em A. Bogo (Org.), Teoria da Organização Política II (pp.). São Paulo: Expressão Popular.

Guimarães, J. R. (2007). A esperança crítica: treze ensaios sobre a crise e utopias da estrela imperfeita. Belo Horizonte: Scriptum Livros.

Gushiken, L. (1995). O PT, seus impasses e perspectivas. Em O Futuro do PT: Seminário Nacional da Articulação Unidade na Luta. [S.l.]: mimeo (p. 42).

Keck, M. E. (2010). PT - A lógica da diferença: o partido dos trabalhadores na construção da democracia brasileira. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Lacerda, A. D. F. de. (2002). O PT e a unidade partidária como problema. Revista de Ciências Sociais, 45(1), pp. 39-76. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/dados/v45n1/a02v45n1.pdf

Madeira, R.; Tarouco, G. (2012). Como partidos significam e legitimam suas origens? Saliency Theory e análise dos textos partidários. In: Oitavo Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política. Gramado-RS.

Madeira, R. Tarouco, G. Vieira, S. (2017). Agendas, preferências, competição: PT e PSDB em disputas presidenciais. Revista Caderno CRH. Vol. 30, n.8, pp.257-273. https://doi.org/10.1590/s0103-49792017000200004

Michels, R. (1982). Sociologia dos partidos políticos. Brasília: UNB.

Panebianco, A. (2005). Modelos de Partidos. Organização e poder nos partidos políticos. São Paulo: Martins Fontes.

Partido dos Trabalhadores. (2009). Nota oficial da Executiva do PT/RS.

Pont, R. (2002). A estrela necessária. Porto Alegre: Veraz.

Ribeiro, P. F. (2010). Dos sindicatos ao governo: a organização nacional do PT de 1980 a 2005. São Carlos: EdUFSCar.

Samuels, D. (2008). A evolução do petismo. Revista Opinião Pública, 14(2), pp. 302-318.

Secco, L. (2011). História do PT. Cotia: Ateliê Editorial.

Silva, A. O. (2009). Nem reforma nem revolução: a estrela é branca. Em V. A. de Angelo & M. A. Villa (Orgs.), O Partido dos Trabalhadores e a política brasileira (1980-2006): uma história revisitada (pp. 13-34). São Carlos: EdFSCar.

Silva, L. I. L. (1981). Discurso na 1ª Convenção Nacional do Partido dos Trabalhadores. Fundação Perseu Abramo, São Paulo. Recuperado de http://www.fpabramo.org.br/uploads/discursodelula1convecao.pdf.%20Acesso%20em%2010/01/2012

Silva, L. I. L. (2002). Carta ao povo brasileiro. Fundação Perseu Abramo, São Paulo. Recuperado de https://fpabramo.org.br/2006/05/10/carta-ao-povo-brasileiro-por-luiz-inacio-lula-da-silva/

Singer, A. (2010). A segunda alma do partido dos trabalhadores. Novos Estudos, 88, pp. 89-111.

Singer, A. (2012). Os sentidos do Lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras.

Singer, P. (2012, 23 de março). Roda Viva. São Paulo: TV Cultura. Programa de TV. 1h13min. Retirado de: https://www.youtube.com/watch?v=x4UGroAnq8I

Todt, M. (2018). Partido dos Trabalhadores: do poder das bases ao verticalismo. Lutas Sociais, 22(40), 175-184. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/ls/article/view/46666/31127